Iberian Ensemble no Centro de Interpretação do Românico

O próximo concerto do I Ciclo de Música Antiga pelo Interior do Património terá como palco o Centro de Interpretação do Românico, em Lousada, e está agendado para terça-feira, 7, véspera de feriado, às 21h15.

O espetáculo do Iberian Ensemble vai contar com a participação dos músicos Alexandre Andrade, no traverso, António Vidal, no oboé barroco, David Cruz, no violoncelo barroco, e João Ferreira, na teorba.

O Iberian Ensemble é um grupo de música antiga que dedica as suas atuações ao repertório dos séculos XVII e XVIII. Partindo de instrumentos da época, os seus programas procuram evidenciar os grandes compositores de referência europeia, bem como os mestres do barroco ibérico.

O repertório do I Ciclo de Música Antiga pelo Interior do Património conta com obras de Carlos Seixas (1704-1742), Domenico Scarlatti (1685-1757), Arcangelo Corelli (1653-1713) e Pedro António Avondano (1741-1788).

A entrada no concerto é gratuita, condicionada à lotação do espaço, por ordem de chegada.

O Ciclo de Música Antiga conta com o apoio da Direção-Geral das Artes, do Centro Cultural de Amarante, da Rota do Românico, da Direção Regional de Cultura do Norte, da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, da Real Irmandade da Rainha Santa Mafalda do Mosteiro de Arouca, da Diocese do Porto e das Câmaras Municipais de Baião e Figueira de Castelo Rodrigo.

A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos e dois centros de interpretação, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende).

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*