Convento de Santa Clara do Porto é protagonista do último número da Coleção Património a Norte

A Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) acaba de lançar o primeiro de quatro números da coleção “Património a Norte”, totalmente dedicados ao Convento de Santa Clara do Porto. O número 10, que agora vem a público, é o resultado de dois anos de investigação histórica e lança um novo olhar sobre um dos monumentos mais icónicos da “Invicta”. Complementado por uma visita virtual e um documentário com a apresentação do jornalista Mário Augusto, “Convento de Santa Clara do Porto: História e Património” é o primeiro reflexo público da intervenção realizada neste imóvel histórico, classificado como Monumento Nacional desde 1910, que volta a abrir ao público ainda este mês de outubro, após ter sido alvo de uma das maiores operações de conservação e restauro realizadas em território nacional, da responsabilidade da DRCN.

Disponível no website da DRCN, em formato digital, de acesso livre, e nas lojas dos museus e monumentos, assim como nas principais bibliotecas nacionais, em formato impresso, a publicação dedicada ao Convento de Santa Clara do Porto leva o leitor a conhecer o edifício e a sua evolução construtiva e estilística, incluindo os seus principais artificies, a vivência diária da comunidade religiosa e a sua relação com a cidade.

Sempre com o objetivo de otimizar a experiência dos leitores e a exemplo dos números anteriores da Coleção Património a Norte, também este, além de enriquecido com diversos conteúdos multimédia, inclui a oferta de um tubo porta desenhos com ilustrações em grande formato.

De casa religiosa a herança cultural e ícone turístico da cidade do Porto, inspiração literária, objeto de estudo histórico e artístico, referência do barroco português e exemplar maior da talha nacional, a intervenção de conservação e restauro realizada entre 2019 e 2021 é o mote para a apresentação dos resultados de dois anos de investigação, nas perspetivas histórica e patrimonial, da autoria dos historiadores da arte Ana Cristina Sousa e Nuno Resende, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

A profunda intervenção de conservação e restauro constituiu uma oportunidade irrepetível de observação direta e interpretação dos edifícios e respetivo património, incluindo a identificação de vestígios até então desconhecidos. O carácter inédito destes novos dados e o seu cruzamento com a reanálise da documentação conhecida veio assim permitir um novo e mais completo olhar sobre este icónico Monumento Nacional, a que se juntam aspetos relacionados com a vivência da comunidade religiosa e a evolução da sua relação com a cidade do Porto, num percurso longo de quase 500 anos, que ajudou a definir os contornos do que hoje conhecemos como Centro Histórico do Porto, reconhecido desde 1996, pela UNESCO, como Património Cultural da Humanidade.

Os próximos números da Coleção Património a Norte dedicados ao Convento de Santa Clara do Porto abordarão a intervenção de conservação e restauro realizada, o Património Musical e o restauro do órgão “grande” da igreja.

A coleção “Património a Norte” é uma publicação numerada, sem periodicidade fixa, feita em parceria com universidades, municípios, instituições reguladoras, arquivos e bibliotecas e na qual já participaram cerca de uma centena de investigadores e historiadores. Da responsabilidade da DRCN, esta iniciativa lançada em 2019 pretende dar resposta às funções social, educativa e científica, promovendo a difusão e produção de conhecimento dos bens culturais da região Norte e abordando os mais variados temas, da reabilitação patrimonial à conservação e restauro, da investigação histórica, arqueológica e etnológica à salvaguarda das artes à museologia.

 

VISUALIZAÇÃO E DOWNLOAD EM:

https://patrimonioanorte.culturanorte.gov.pt/PaN_10_E-Book.php

 

CONSULTA EM:

https://patrimonioanorte.culturanorte.gov.pt/PaN_10_ISSUU.php

 

Informação da Direção Regional de Cultura do Norte

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*