Patriarca russo apoia Putin

O patriarca ortodoxo russo Kirill, líder do grupo religioso dominante da Rússia, enviou seu sinal mais forte até agora justificando a invasão da Ucrânia por seu país – descrevendo o conflito como parte de uma luta contra o pecado e a pressão de estrangeiros liberais para realizar “paradas gays” como o preço de admissão em suas fileiras.

Kirill, um aliado de longa data do presidente russo Vladimir Putin, já havia se abstido de criticar a invasão russa – alienando muitos nas igrejas ortodoxas ucranianas que anteriormente permaneceram leais ao patriarca de Moscovo durante um cisma no seu país. Vários desses ex-lealistas estão agora criticando Kirill em suas orações públicas, com alguns exigindo independência da Igreja de Moscou, mesmo quando a independência política de seu país está em perigo.

Kirill, num sermão proferido no domingo antes do início da Quaresma Ortodoxa, ecoou as alegações infundadas de Putin de que a Ucrânia estava envolvida no “extermínio” de aliados russos em Donbas, a região separatista oriental da Ucrânia mantida desde 2014 por dois grupos separatistas apoiados pela Rússia. Kirill concentrou praticamente toda a sua conversa sobre a guerra em Donbas – sem mencionar a invasão generalizada da Rússia e seu bombardeio de alvos civis.

Kirill no domingo descreveu a guerra em termos espirituais. “Entramos numa luta que não tem um significado físico, mas metafísico”, disse ele.

Ele argumentou que alguns dos separatistas de Donbas estavam sofrendo por sua “rejeição fundamental dos chamados valores que são oferecidos hoje por aqueles que reivindicam o poder mundial”.

Ele afirmou que essa potência mundial sem nome está representando um “teste para a lealdade” dos países, exigindo que eles realizem paradas do orgulho gay para se juntar a um clube global de nações com suas próprias ideias de liberdade e “excesso de consumo”.

Mas muitos cristãos ortodoxos na Ucrânia ficaram chocados com a postura de Kirill sobre a guerra na Ucrânia. Durante séculos, o patriarca de Moscovo reivindicou a lealdade máxima da Igreja Ortodoxa Ucraniana, embora esta última mantivesse ampla autonomia. E muitos padres, monges e fiéis permaneceram leais a Kirill, mesmo com a formação de uma Igreja Ortodoxa da Ucrânia mais nacionalista, com sede em Kiev, em 2018 e 2019.

A guerra está destruindo essa lealdade para alguns, no entanto. Numerosos bispos da Igreja Ortodoxa Ucraniana autorizaram os seus padres a não comemorar o Patriarca Kirill em suas orações durante os cultos públicos – uma declaração simbolicamente importante na tradição ortodoxa, que valoriza os fiéis em comunhão com sua hierarquia divinamente ordenada.

Desde o início da guerra, cerca de 15 dioceses da Igreja Ortodoxa da Ucrânia autorizaram a omissão do nome do patriarca, de acordo com a União de Jornalistas Ortodoxos, um site de notícias com notícias geralmente positivas sobre a igreja de inclinação moscovita.

O Rev. Mykola Danilevich, que serviu como porta-voz da Igreja Ortodoxa Ucraniana, confirmou na sua conta no Telegram que “muitos de nossos padres pararam de homenagear o Patriarca de Moscovo para cultos”.

“E a razão é óbvia”, escreveu Danilech em 1º de março, antes do sermão de domingo mais recente de Kirill. “A invasão aberta e traiçoeira da Ucrânia é um grande erro da Rússia. … As pessoas não ouviram do patriarca uma avaliação clara desta guerra e seu apelo para acabar com essa loucura.”

O clero em pelo menos duas dioceses – Lviv e Volodymyr-Volynskaare – pde a  independência da Igreja de Moscovo, de acordo com suas páginas no Facebook.

Muitos ortodoxos ucranianos estão chocados com Kirill  que “condenou o mal em termos mais amplos, mas não disse nada sobre a guerra e muito menos sobre seu início pela Rússia”, disse Catherine Wanner, professora de história, antropologia e estudos religiosos da Universidade Estadual da Pensilvânia.

“Na violência, nas mortes e no terror que está tomando conta da Ucrânia agora, acho que ninguém está preocupado com jurisdições específicas”, disse Wanner, cujos estudos se concentram na região. “Mas esta será uma mudança radical.”

O reverendo Cyril Hovorun, professor de eclesiologia, relações internacionais e ecumenismo na University College Stockholm, disse que os últimos comentários de Kirill mostram que ele está numa “gaiola dourada”.

Ele disse que Kirill ajudou a “fornecer a ideologia” que Putin usou para justificar a hegemonia russa sobre a região e, em troca, a Igreja recebeu forte apoio do governo.

“Mesmo que ele (Kirill) entenda o que está acontecendo na Ucrânia com a guerra, mesmo que ele queira falar e nomear as coisas pelo nome próprio, ele não pode”, disse Hovorun, autor de vários livros sobre ortodoxia na Ucrânia. e além. “Ele é uma figura completamente não livre que precisa seguir fielmente a narrativa oficial.”

O arcebispo Daniel, da Igreja Ortodoxa Ucraniana dos EUA, disse que os últimos comentários do patriarca Kirill são “incompreensíveis”.

“Independentemente de nossas crenças e de nossa posição em questões sociais e morais, você não pode usar isso como ferramenta de propaganda para justificar a invasão russa e o massacre de pessoas inocentes”, disse ele.

Muitos ortodoxos e outros conservadores religiosos, inclusive na Ucrânia, compartilham a posição de Kirill sobre ética sexual, disse o reverendo John Burgess, professor do Seminário Teológico de Pittsburgh e autor de “Holy Rus’: The Rebirth of Orthodoxy in the New Russia”.

“Mas ucranianos e ortodoxos ucranianos estão sob ataque, estão sofrendo, temem pelo futuro da nação”, disse Burgess. “Nada disso está refletido no sermão. Se os foguetes estão caindo em Kharkiv e Kiev, e o patriarca começa a falar sobre paradas gays, parece que algo está estranho aqui”.

Burgess disse que a prática de se recusar a homenagear um patriarca em oração tem precedentes. Alguns padres ortodoxos russos sofreram perseguição sob o regime comunista por se recusarem a homenagear um patriarca que consideravam muito comprometido com o governo bolchevique.

Os clérigos que atualmente se distanciam de Kirill podem estar “arriscando seu próprio futuro”, disse Burgess.

“Se o presidente Putin e os russos realmente prevalecerem na Ucrânia, o que acontecerá com esses bispos?” perguntou. “Eles serão removidos ou terão que ir para o subsolo.”

___

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*