Histórias da Fé: A Basílica do Bom Jesus

Situada em Goa Velha, a Basílica do Bom Jesus apresenta-se como um dos melhores exemplos da Portugalidade no património arquitetónico de Goa.
Os seus trabalhos de construção iniciaram-se no ano de 1594 e terminaram pouco mais de dez anos depois, considerado um curto período de tempo para a época, ano em que a Basílica foi consagrada pelo então Arcebispo de Goa D. Frei Aleixo de Meneses. Segundo contam as crónicas, os jesuítas terão construído os alicerces da estrutura em apenas uma noite, tal era a ânsia de construir a Basílica.
No dia 2 de dezembro de 1637 a Basílica receberia as relíquias de S. Francisco de Xavier, missionário católico nas terras do Oriente, até então sepultado na Igreja de São Paulo, em Malaca. O corpo, incorrupto mais de 450 anos após a sua morte, repousa no local até aos dias de hoje, facto que atrai à Basílica cerca de dois milhões de peregrinos anualmente.
A sua harmoniosa fachada de estilo barroco possui representado o monograma IHS, adotado pela Companhia de Jesus como seu símbolo.
O interior é relativamente simples, com exceção dos altares dourados. No principal, encontra-se representado numa imponente estátua o fundador dos Jesuítas, Santo Inácio de Loyola. O piso de mármore é ornamentado com magníficas pedras preciosas, segundo projeto atribuído ao arquiteto português Júlio Simão, nascido no Estado Português da Índia.
A passagem do tempo é visível nas pinturas presentes na parte interna da igreja, maioritariamente representativas da vida de São Francisco de Xavier, encontrando-se muitas das quais a necessitar de evidente trabalho cuidado de restauro.
Símbolo incontestável da Portugalidade em território goês, a Basílica do Bom Jesus foi eleita em 2009 uma das 7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo, enquadrando-se no conjunto de Igrejas e Conventos de Goa, Património da Humanidade desde 1986.
Miguel Louro * Estudante de Direito * Porto

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*