Sintomas do fim — Imoralidade (2)

Na sua carta aos Coríntios, O apóstolo Paulo recomenda:
«… mas, por causa da impureza, cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido. O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher.» (1 Coríntios 7:2-4)

Estes conceitos divinos são odiados pelos movimentos feminista e LGBTQIA+, que definem as directrizes da educação escolar no que diz respeito aos conceitos de família, casamento e sexualidade. De acordo com o PRESSE:

«Cada pessoa vive a sua sexualidade de forma diferente de acordo com a educação recebida pela família, pelos amigos, pela escola, pelo local onde vive, pelos meios de comunicação, entre outros e esta experiência interfere na construção da personalidade da pessoa e, portanto, na sua saúde. Como referem López e Fuertes, (1999, p. 16) “a sexualidade não só mediatiza todo o nosso ser como também é mediatizada pelo que somos”.»

Traduzindo para linguagem mais acessível: todos nascem neutros e é a educação recebida no seio familiar que condiciona e impõe a sexualidade de meninos e meninas.
Para combater essas imposições opressoras, que afirmam que se nasce menino ou menina – esses estereótipos – a escola, os amigos, o local onde se vive e os meios de comunicação têm a palavra final na construção da sexualidade da pessoa — o sexo é o que a torna conhecida [mediatizada] e torna-se conhecido pela forma como a pessoa é, sexualmente falando. Resumindo: sexo é tudo e tudo é sexo.

Como escreveu a feminista radical, esquizofrénica e lésbica, Shulamith Firestone:

«A mente plenamente sexuada [a mente que só pensa em sexo] tornar-se-ia universal se a criança escolhesse a relação sexual com os adultos, e ainda no caso que escolhesse a sua própria mãe genética, não existiriam razões, à priori, para que esta rejeitasse as suas insinuações sexuais visto que o tabu do incesto teria perdido a sua função.»

É isto que se está a fazer às crianças na escola; a inculcar nas suas mentes sexo, sexo e mais sexo, muito sexo, em todas as suas perversões. Até elas só pensarem nisso e não rejeitarem quaisquer insinuações sexuais, venham elas de onde vierem. Como escreveu a feminista radical, Shulamith, nem a própria mãe [ou pai] teria razões para rejeitar os avanços sexuais de um filho. Se isto não dá ânsias de vómito…
Este programa imoral, concebido por adultos imorais – para erotizar crianças -, aponta para as práticas mais depravadas e imorais do Antigo Império Romano como algo libertador e desejável para os dias de hoje, e aponta o dedo aos cristãos como os repressores do que era bom:
«Ganham força as concepções de Santo Agostinho de que o sexo era fruto do pecado humano. […] Século VII: As actividades homossexuais caem na clandestinidade. Cresce a repressão à actividade sexual pelo prazer.»

Percebeu? Os malvados dos cristãos tornaram clandestinas as actividades homossexuais e passaram a reprimir a actividade sexual prazerosa… Como se só fosse prazeroso o sexo entre pessoas do mesmo sexo…
É verdade que Roma Antiga ficou conhecida pela imoralidade sexual desenfreada. De acordo com o historiador Will Durant:

«[No Império Romano] A prostituição florescia. O homossexualismo era estimulado pelo contacto com a Grécia e com a Ásia. Muitos homens ricos pagavam um talento (+ ou – 3 600 euros) por um homem favorito. Cato queixava-se de que um belo jovem custasse mais do que uma quinta».

Duran diz que a prostituição era tão comum em Roma que algumas vezes os votos dos políticos tinham de ser recolhidos no collegium lupanariorum, que era a “associação de defensores dos bordéis”, e acrescenta:

«O adultério era tão comum que atraía pouca atenção, a não ser quando era praticado por motivos políticos; e praticamente todas as mulheres abastadas se divorciavam pelo menos uma vez.»
Ele diz mais:
«Os romanos, como os gregos, toleravam de bom grado os locais onde se concentravam os prostitutos. A profissão era legalizada e restrita […] O velho Sêneca adoptava o amplo adultério entre as mulheres romanas».

Prostituição legalizada? Adultério comum? Divórcio? Homossexualismo, nas ruas e às claras? Tudo, tolerado de bom grado? Moderno? Sinais da evolução dos tempos?
Não! Não há nada de novo debaixo do sol!
Mas, de todas as cidades da Antiguidade, não havia nenhuma mais depravada do que Pompeia. Por exemplo: era comum que um símbolo fálico adornasse o lado de fora das casas.
Portanto, não devia deixar de ser um alerta, para nós, o facto de a cidade mais pervertida daquela época ter sido destruída repentinamente em 24 de Agosto de 79 d.C. — como Sodoma e Gomorra haviam sido antes disso. Deus abomina o pecado e, para nosso exemplo, Ele destruiu Sodoma e Gomorra devido à imoralidade que imperava:

«Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo; e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, a oitava pessoa, o pregoeiro da justiça, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente;» ( 2 Pedro 2:4-6)

Foi num mundo corrupto e pervertido — que está a ressurgir das cinzas e a ser apresentado à sociedade como algo moderno, bom e desejável — que Jesus nasceu. Foi nesse mundo que o Evangelho começou a ser espalhado pelos discípulos. Eles chegaram, declararam que Deus é Santo — uma ideia totalmente desconhecida da sociedade visto os deuses pagãos não terem nada de santos e encorajarem todo o tipo de perversão sexual.

Hoje, o hedonismo moderno está a ensinar às nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos, que o cristianismo reprime a sexualidade e impede o prazer, mas o que ele realmente quer dizer é que o cristianismo REPRIME A IMORALIDADE e, nisso, está certo.

 

Maria Helena Costa * Escritora * Cristã Evangélica

 

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*