São Jerónimo: 40 anos dedicados a tradução dos textos bíblicos

A Vulgata, a primeira tradução completa da Bíblia para o latim, representa o esforço mais exigente enfrentado por Jerónimo.

 

 

No dia 30 de setembro a Igreja celebra São Jerônimo, considerado um dos mais eruditos Padres da Igreja Ocidental. Foi o Santo que colocou toda a sua vasta erudição ao serviço da Sagrada Escritura. A Vulgata, a primeira tradução completa da Bíblia para o latim, representa o esforço mais exigente enfrentado por Jerônimo.

Fr. GIOVANNI CLAUDIO BOTTINI, ofm

Studium Biblicum Franciscanum

O termo “Vulgata” – ou também “Volgata” em italiano -, que significa “comum”, indica a versão oficial usada na Igreja latina. A Vulgata nasceu da obra e do gênio de São Jerônimo.

 

Dálmata, de cultura enciclopédica, São Jerônimo retirou-se para o deserto perto de Antioquia, berço do cristianismo, vivendo em penitência. Depois, tornando-se sacerdote, iniciou uma intensa atividade literária: em Roma foi colaborador do Papa Dâmaso. Após a morte do Papa, Jerónimo retirou-se para Belém.

Em 386 São Jerônimo se estabeleceu nas proximidades da Basílica da Natividade, para dedicar-se ao estudo da Bíblia. A célebre versão latina, que mais tarde se tornou oficial na Igreja do Ocidente, foi de suma importância para a transmissão das Escrituras

Descendo as escadas da Basílica de Santa Catarina, encontramos um conjunto de grutas, todas muito próximas umas das outras. Uma, a principal e mais importante, é a Gruta da Natividade, local do nascimento de Jesus. Ao lado desta, está a gruta de São Jerónimo

Assista ao vídeo

 

Fr. EUGENIO ALLIATA, ofm

Studium Biblicum Franciscanum

São Jerônimo viveu quase 40 anos em Belém: chegou por volta de 386 de Roma junto com Paula, Eustóquio e outras das suas seguidoras. O irmão de Jerônimo também o acompanhava. Eles se estabeleceram em Belém e daqui nunca se mudaram. Não foram mais para outros lugares: antes de se estabelecer em Belém, São Jerônimo conta que ele e Paula e suas seguidoras visitaram todos os outros lugares santos da Palestina, mas nunca mais voltaram.”

Fr. EUGENIO ALLIATA, ofm

Studium Biblicum Franciscanum

Serão pouco mais de 40 anos – porém um período que deu resultados extremamente importantes, especialmente para a história da Igreja Ocidental em que a língua era o latim. A partir daquele momento, todos poderiam usar uma tradução da Bíblia feita diretamente dos textos originais, de acordo com a visão de São Jerônimo, para o qual, era preciso seguir a verdade hebraica, não as modificações feitas nas traduções subsequentes da Bíblia. Esta ideia é muito moderna, e hoje todos leem na primeira página de cada Bíblia: “traduzida dos textos originais”. É preciso dizer que São Jerônimo teve essa preciosa intuição já em seu tempo. Mil e quinhentos anos atrás.

Da tradução feita por São Jerónimo a Bíblia de Gutenberg, o primeiro livro impresso da história.

Ao lado da gruta onde São Jerônimo trabalhou na tradução e viveu como monge eremita encontra-se outra gruta, conhecida como seu túmulo.

Na verdade, seu corpo não está mais aqui; seus restos mortais foram transferidos para Roma pelos cruzados. O túmulo permanece como uma recordação aos cristãos, dada a sua grande importância. Além do túmulo de São Jerónimo, há também os de duas das suas seguidoras: Paula e Eustóquio.

A Bíblia de Gutenberg, em 1456, foi o primeiro livro impresso da história. Para esta primeira edição foi escolhida justamente a Vulgata de São Jerônimo. É conhecida como a Bíblia de 42 linhas e está dividida apenas em capítulos. Os versículos foram introduzidos em 1527. Com o passar dos séculos chegou aos nossos dias e continua sendo o livro mais lido, traduzido e impresso em todas as línguas.

Lurdinha Nunes * Terra Santa

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*