Notícias da Terra Santa: Em Jerusalém a Celebração Eucarística pela intenção dos peregrinos da Terra Santa e pela beatificação de Fr. Mamerto Esquiù

No dia 4 de setembro, os sinos da igreja de São Salvador, em Jerusalém, tocaram para a celebração eucarística na intenção dos peregrinos da Terra Santa, mas também por um motivo especial; a beatificação do Servo de Deus, fr. Mamerto Esquiù. Um peregrino na Terra Santa com espírito missionário.

 

 

 

Conta-nos o biógrafo que, durante a sua peregrinação, visitou com admiração os Lugares Santos e viveu com intensa espiritualidade as orações no Santo Sepulcro e em cada santuário.No dia em que o frade menor, argentino, Mamerto Esquiù foi elevado às honras dos altares na Argentina, os frades da Custódia da Terra Santa recordaram-no com alegria e solenidade no lugar onde ele chegou como peregrino na manhã de 27 de junho de 1876 e onde permaneceu por um ano e meio.

 

Fr. MARCELO CICHINELI

Guardião Convento São Salvador – Jerusalém

Estamos celebrando um peregrino na Terra Santa que também foi bispo de Córdoba: Marmeto Squiù. Unimo-nos à festa na Argentina com os irmãos da província de Assunção, celebrando este novo beato para a Ordem e para toda a Igreja.

Fr. MARCELO CICHINELI

Guardião Convento São Salvador – Jerusalém

Fr. Mamerto conta em seu diário que celebrava a missa na fraternidade e no altar do Imaculado Coração de Maria para irmãos leigos. Naquela época, a igreja foi destruída e uma nova foi construída, que acreditamos ser a retratada nesta foto. Esta é a imagem do Imaculado Coração de Maria, esculpida por Francesco Sella, um escultor italiano que trabalhou exatamente no período em que o Frei Marmeto esteve aqui. Diante desta imagem ele rezava nesta casa e neste convento.

A celebração eucarística foi presidida por Fr. Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, juntamente com fr. Marcelo, guardião do Convento de São Salvador e com os frades da Custódia. Também participaram da celebração, o embaixador da República da Argentina, Sergio Daniel Urribarri e seus colaboradores.

 

Na homilia, o Custódio destacou os aspectos da vida de fr. Mamerto Esquiù: “A peregrinação do frei Mamerto à Terra Santa nos ajuda a compreender a qualidade da sua pessoa, da sua vida e da sua vocação. As palavras escritas a seu respeito pelo então Ministro geral da nossa Ordem, Fr. Bernardino da Porto gruaro, ajudam-nos a compreender os adjetivos atribuídos à Frei Mamerto: um autêntico Frade menor e homem de Deus, um pregador extraordinariamente eficaz, um homem precioso para o bem de sua pátria, a Argentina”.

 

( Assista ao vídeo )

 

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm

Custódio da Terra Santa

É impressionante como ir ao Lago da Galileia lhe parece ver o Evangelho, não simplesmente ouvir. Fiquei muito impressionado com o ato de devoção que ele faz em Nazaré, na casa de São José, quando diz “este lugar lembra a humildade e a pequenez”, e completa “cada vez que lá eu ia, varria o chão com muita alegria e grande devoção”, ele também consegue compreender que a devoção não passa apenas pela oração, mas também pelo cuidado e isto, eu diria, é algo que nos dá uma indicação preciosa, para nós frades que aqui estamos, e que cuidamos dos santuários

 

Nas palavras de Fr. Francesco Patton, a esperança de que logo retornem os peregrinos de língua espanhola e também os que vêm de todo o mundo.

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm

Custódio da Terra Santa

Esperamos que antes do final de 2021 os peregrinos possam retornar. É preciso poder voltar a viver normalmente; se o vírus voltar a circular, devemos aprender a conviver com o vírus também, não podemos parar de viver. É justo ter uma série de cuidados, mas também é justo tornar possível o movimento das pessoas de um país à outro, é justo que os peregrinos possam voltar para visitar e ler a palavra de Deus nos lugares santos. É justo que as pessoas, com os devidos cuidados, possam retomar a vida normal, caso contrário, o que projetamos, será uma angústia contínua que, de fato, para proteger a vida, nos impede de viver.

 

Lurdinha Nunes * Correspondente na Terra Santa

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*