O que é uma «igreja sinodal»?

1. Desta vez, não estamos apenas a preparar um Sínodo; a prioridade é redescobrir o rosto de uma «Igreja sinodal».
Nada de novo, diga-se. A «sinodalidade» — vocábulo imperceptível para muitos — pertence à natureza mais genuína da Igreja.
2. A vocação da Igreja é chegar a todos (cf. Mc 16, 15). É por isso que ela é «católica».
É preciso, entretanto, que todos «caminhem em conjunto». Daí que a Igreja, enquanto «católica», seja «sinodal».
3. Sucede que, como notou Gustave Thibon, «estar junto» não é só — nem principalmente — «estar com»; é sobretudo «estar em».
Neste caso, «estamos juntos» quando todos «estamos em» Jesus Cristo (cf. Mt 18, 20).
4. Isto significa que a «sinodalidade» não é uma espécie de «plug-in», um aditamento de última hora para reagregar ao «conjunto» os que estão cada vez mais «disjuntos».
Aliás, a «sinodalidade» já era muito vivenciada nos primórdios.
5. O Sínodo de 2023 postula a intervenção de todos. É neste sentido que a fase diocesana já está em curso.
As palavras-chave são «participação, comunhão e missão». Para que a «missão» seja assumida por todos e para que se aprofunde a «comunhão» entre todos, é indispensável a «participação» de todos.
6. Percebe-se igualmente que esta participação não possa limitar-se ao acontecimento chamado «Sínodo».
Ela tem de envolver a totalidade da vida da Igreja.
7. Nenhum corpo está completo se faltar um membro que seja. É vital, pois, «sair» para «encontrar», «escutar» e «discernir».
Este discernimento — como frisou o Papa Francisco — é essencialmente espiritual, «que se faz na adoração, na oração, em contacto com a Palavra de Deus».
8. O Jesus do Evangelho é o critério supremo e o Evangelho de Jesus desponta como a referência maior.
Tal como «a gota de água limpa em que brilha o amor de Deus» (Santa Teresa de Calcutá), a sinodalidade há-de ser, antes de mais, um percurso de conversão a Jesus Cristo.
9. Por conseguinte, é de esperar que cada um não exponha — egocentricamente — o que espera da Igreja. Mas que, em Cristo, se disponibilize para o que a Igreja espera dele.
Que cada cristão convide outro a participar na Eucaristia, na formação, na caridade. E que este outro convide outros, deixando bem vincado que a sua participação é insubstituível e desejada.
10. O primeiro a ser escutado tem de ser Jesus Cristo, realmente presente na Eucaristia e vitalmente activo nos irmãos. É imperioso que a sinodalidade avulte como alegria pela presença dos irmãos e pela possibilidade de caminhar a seu lado.
Nem todos quererão vir, mas nós não podemos deixar de ir. A catolicidade só será real com a presença — e a participação — total.

 

P. João Teixeira * Reitor do Santuário de N.ª Sr.ª dos Remédios * Lamego

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*