Coração Eucarístico

Neste mês dedicado ao Coração de Jesus, mais um artigo para nos ajudar a perceber, a rezar, a interiorizar a relação entre o Divino Coração do Redentor e a Eucaristia, cume e centro da nossa vida cristã.                                      

 

          «Toda a devoção ao Coração de Jesus em cada uma das suas manifestações é profundamente eucarística: exprime-se em piedosos exercícios que estimulam os fiéis a viverem em sintonia com Cristo, “manso e humilde de Coração” (Mt 11, 29), e aprofunda-se na adoração. Ela está arraigada e encontra o seu ápice na participação na Santa Missa, sobretudo na Dominical, onde os corações dos crentes, reunidos fraternalmente na alegria, escutam a palavra de Deus, aprendem a realizar com Cristo a oferta de si mesmos e de toda a própria vida, (…) se esforçam por serem mais evangelizadores e testemunhas de solidariedade e de esperança» (Sacrossanctum Concilium, 48).

 

1.º Coração em Eucaristia. No ensinamento do Papa Paulo VI encontramos estas palavras: “A Eucaristia é o maior dom do Coração de Jesus”. Porquê? Porque na Eucaristia Ele Se dá todo a nós, todo o seu ser, todo o seu amor. Nos outros sacramentos dá uma graça particular; na Eucaristia dá-Se a Si mesmo, autor da vida e da graça, da santidade e do amor. Deus e Homem verdadeiro. Sendo todo o seu amor que está em cada Eucaristia, é todo o seu Coração que Se torna presente em cada celebração, em cada comunhão, em cada sacrário. Mais ainda: a Eucaristia é a fonte da transformação do nosso coração, da sua conversão e divinização.

 

2.º Eucaristia em Coração. Ao longo dos séculos, sempre que se queria louvar, reparar o Coração de Jesus expunha-se a Eucaristia, se possível na custódia, e ficava-se em oração diante d’Ele. Aprendia-se com Ele a amar, a servir, a ser mais humilde, mais pobre, mais amigo dos outros, pois o seu Coração nos ensinava sempre a arte de amar. Assim fizeram os santos e santas que hoje veneramos: na Eucaristia e na adoração aprenderam a ser Bons Pastores, Bons samaritanos. A Eucaristia os lançava para junto dos pobres, dos doentes, dos marginais, com o coração em fogo, desejosos de amar mais e amar melhor. De joelhos diante da Eucaristia, aprendemos a arte de amar o irmão e a irmã onde Jesus está presente.

 

3.º Santidade=amor. Se Deus é amor (1 Jo 4,8), ser santo, ficar divinizado é o caminho do coração que se quer identificar com o Coração de Cristo. A santidade tem um nome, o amor, a caridade. E esta encontramo-la no Coração de Jesus. Rezamos para amar mais, fazemos penitência para amar mais, trabalhamos para amar mais, fazemos compromissos ou votos de castidade, pobreza e obediência para amar mais. Deus é Coração que ama sem limites, ama-nos louca e apaixonadamente. Só amando ao jeito d’Ele seremos santos e a vida terá o cunho de uma santidade vivida, comprometida, doada, feita entrega generosa aos outros. Pedir muito a graça de um coração bom, humilde, sempre pronto a amar.

 

P. Dário Pedroso * jesuíta

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

4 Comments

  1. Obrigado por este maravilho texto. Estes balões de espiritualidade amaciam o meu espírito e tornam os dias mais tranquilos. Abraços amigos.

Deixe uma resposta

*