Igreja sozinha na defesa do amor para sempre

“Temos que cuidar de grupos familiares e das actividades de famílias cristãs”, diz Buch, além de uma preparação para o casamento semelhante ao catecumenato em que “aqueles que estão mais distantes podem receber um anúncio quase querigmático, quase do zero” e a partir daí, aprofundar questões como respeito, comunicação e perdão, curar feridas e estabelecer as raízes do casamento ”, conclui Buch.

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*