Identificada Relíquia recém-descoberta de Mártir do Massacre de Paris de 1871

Escapulário recém identificado do Monsenhor Alexis Auguste Surat.

REGALIS LIPSANOTHECA EM OURÉM GUARDA RELÍQUIA INSIGNE DO MASSACRE DE PARIS DE 1871

A Colecção de Relíquias da Regalis Lipsanotheca guarda entre os objectos históricos mais valiosos do seu acervo, um escapulário ensanguentado do Arquidiácono da Catedral de Notre Dame de París Monsenhor Alexis Auguste Surat, uma relíquia que recorda momentos de terror vividos na capital Francesa durante a insurreição da Comume, um acontecimento trágico ocorrido há precisamente 150 anos.

Napoleão III e o Chanceler Alemão Bismarck após derrota do Exército Francês em 1870

Corria o ano de 1852 e Louis-Napoléon Bonaparte, sobrinho de Napoleão I, foi eleito primeiro Presidente da França. Cumpriu um mandato de 1848 a 1852 e tornou-se depois Imperador dos Franceses entre 1852 a 1870, após tomar o poder pela força em 1851 quando já não podia mais ser reeleito constitucionalmente. Autoproclamou-se Imperador dos Franceses, criando assim o Segundo Império. Foi o último Monarca Francês e com a derrota do Exército Francês e sua captura pela Prússia e seus aliados na Batalha de Sedan, em 1870, começou mais outro período sangrento na França.

Napoleão III havia relutantemente declarado Guerra à Prússia após pressão do público mas sem aliados e com forças militares inferiores, o Exército Francês foi rapidamente derrotado e o Imperador capturado em Sedan. Destronado foi enviado para a Inglaterra onde faleceu no exílio em 1873. Seguidamente foi proclamada a Terceira República em Paris mas com graves conflitos registados logo após eleições conturbadas para a Commune (Câmara Municipal) de Paris.

Desde Março de 1871 que várias associações ligadas ao chamado “Pensamento Livre”; (hoje considerados grupos de esquerda), comemoram o centésimo quadragésimo aniversário da Commune insurrecional de Paris e após os largos meses de cerco e ocupação da Capital Francesa pelos Prussianos, muitos Parisienses desesperados associaram-se ao movimento. A crise política acabaria com uma semana de massacres em 1871.

As Profecias de Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré em 1830

Para o fundador da Fundação Oureana, John Mathias Haffert, tudo isto estava profetizado nas Aparições de Nossa Senhora, assunto que Haffert estudou largamente e ao qual dedicou mais de uma centena de livros e artigos. Segundo o fundador do maior movimento apostólico de todos os tempos, o Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima, anos antes dos acontecimentos de Paris de 1871, havia a Virgem Santa Maria aparecido a Santa Catarina Labouré, na capela da Rue du Bac em Paris, e na noite de 18 para 19 de Julho de 1830, anunciado esta revolução nestes termos: “Os tempos são muito ruins, os infortúnios cairão sobre a França: o trono será derrubado, o mundo inteiro será derrubado por infortúnios de todos os tipos. Chegará o momento em que o perigo será grande, acreditaremos que tudo está perdido, aí estarei com você, tenha confiança, você reconhecerá minha visita e a proteção de Deus e o de São Vicente nas duas comunidades. Mas o mesmo não acontece com as outras Comunidades. Haverá vítimas. Haverá muitas vítimas, Monsenhor o Arcebispo morrerá. Minha filha, a Cruz será desprezada, o sangue correrá pelas ruas ”

E quando será isto?”, perguntou Santa Catarina.  A Virgem respondeu: “Daqui a quarenta anos!”

Quarenta anos depois, precisamente em 1871teve início, a insurreição que culminou nas acções populares mais hostis para com os membros da Igreja Católica desde a Revolução Francesa. O Município de Paris decretou a “separação entre Igreja e Estado” e proibiu a celebração da Missa em hospitais e capelas militares.

Aparição de Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré em 1830

Seguidamente, muitos Conventos foram invadidos, saqueados e ocupados e as religiosas de clausura foram humilhadas e molestadas. Constaram-se profanações deliberadas do Santíssimo Sacramento e de relíquias insignes de Santos.

A Commune foi finalmente suprimida pelo Exército Nacional Francês durante “La Semaine Sanglante (A Semana Sangrenta), começando em 21 de Maio de 1871. Entre 6,000 a 7,000 Communards foram confirmados como mortos em batalha ou executados pelas autoridades, embora algumas estimativas não confirmadas, afirmem que morreram 20.000. O facto é que durante essa semana o Arcebispo de Paris, Georges Darboy, e outros membros do Clero e dos forças policiais opostas às ordens do executivo Câmarario foram presos e fuzilados pela Commune para servirem de exemplo.

O terror levado a cabo pela Commune de París contra o clero  começou na Semana Santa, na Terça-Feira, 4 de Abril de 1871, quando Georges Darboy, Arcebispo de Paris, o Abbé Gaspard Deguerry,  Pároco de Madeleine e o Monsenhor Alexis Auguste Surat, Arquidiácono de Notre-Dame e Zelador Guardião das Relíquias da Paixão de Cristo da Catedral, foram feitos reféns e levados para a Prisão de Mazas sendo posteriormente transferidos para a Prisão de la Roquette onde foram fuzilados juntamente com muitos outros Católicos, membros das forças policiais, soldados, políticos de oposição e escritores.

Mgr Georges Darboy Photographie ca1860 BNF Gallica.jpg
.Monsenhor Georges Darboy, Arcebispo de Paris

Os relatos de um Padre contemporâneo que sobreviveu aos massacres foram anotados num Diário e dão conta da situação de terror vivida durante esses tempos:

“A consternação está em toda parte, vivemos com medo, estamos indignados; mas não ousamos dizer nada. Quando o Arcebispo compareceu perante os seus juízes, disse-lhes: “Meus filhos”, ao que responderam: “Não somos vossos filhos, mas magistrados!”. 5 de Abril de 1871

“Lemos cartazes horríveis nas ruas, dizendo que devemos saquear igrejas e assassinar padres.” Quinta-feira Santa, 6 de Abril de 1871

“O Município não publica apenas proclamações sanguinárias, também as realiza. Prenderam 200 padres, fecharam várias igrejas, estamos com dificuldade de encontrar uma Missa. Muitas igrejas foram rapidamente transformadas em “Clubes Revolucionários” e tornaram-se palco de cenas terríveis: a bandeira vermelha voa sobre Notre-Dame de Lorette, da qual um Vigário, o Padre Jean-Marie-Noël Sabbatier, está preso; a famosa Louise Michel, (conhecida como a Virgem Vermelha) cuja excitação – beirando a histeria – está no auge, “pontifica” no clube que ela fundou na Igreja de São Bernardo de la Chapelle; Saint-Eustache e Saint-Nicolas des Champs têm sessões todas as noites que relembram as horas mais sombrias do grande terror; na Santíssima Trindade, é um clube onde só se reúnem mulheres que sobem ao púlpito para arrotar horrores, exortar a pilhagem e convocar o massacre de padres… etc.”   Domingo de Páscoa,  9 de Abril de 1871

Louise Michel, conhecida como a Virgem Vermelha
(1830 – 1905) 

Louise Michel: “Os padres, vestidos de burgueses, fogem de Paris e procuram refúgio entre os prussianos, perto dos quais estão mais seguros do que com os Comunas que nada respeitam.” 16 de Abril de 1871

“O Communeux saqueou Notre-Dame des Victoires e realizou todos os tipos de profanação ali. Depois de crimes tão horríveis, não devemos temer que a vingança de Deus caia sobre esta cidade tão culpada.” 17 de Maio de 1871

“Os Communards haviam de fato começado a acender fogueiras em várias partes da capital e a pilhar as lojas e estabelecimentos bancários. O Palácio das Tulherias foi uma das vítimas mais famosas dessa loucura incendiária. Chegados à Basílica de Nossa Senhora das Vitórias arrastaram barris de azeite, maltrataram e prenderam os padres e os fiéis que se opunham a esses sacrilégios, e antes de condenarem a igreja às chamas saquearam-la e profaná-la de forma sistemática.O Tabernáculo foi violado, as Hóstias Condsagradas jogadas no chão e pisadas; a estátua milagrosa da Virgem Santa Maria com o Menino Jesus foi despojada das Coroas oferecidas pelo Papa Beato Pio IX, e sujas com feses humanas; os vasos sagrados que o Padre tentou preservar ocultando-os no cenotáfio de Lully, foram descobertos e seguidamente profanados em bebedeiras que tiveram lugar durante orgias; o relicário simulacra de Santa Aurélie (uma jovem Mártir dos primeiros séculos encontrada nas Catacumbas e cujas relíquias também foram oferecidas à Basílica pelo Beato Pio IX) foi profanado e seus ossos jogados ao acaso pela rua; o túmulo do Santo Abade Desgenettes foi também profanado e a sua cabeça arrancada do corpo, espetada numa baionetla de espingarda e levada em procissão profana por meio de risos e outras blasfêmias…”

Ao saber dessas profanações, Santa Catarina Labouré que havia visto a aparição de Nossa Senhora das Graças quarenta anos antes declarou: “Tocaram em Notre-Dame des Victoires: não irão mais longe! “

“No dia 24 de Maio, Festa de Maria Auxiliadora, após sete dias de profanações e cenas orgiásticas, os federados fugiram ao som do clarim Versalhesa: a Basílica do Imaculado Coração de Maria foi terrivelmente testada, mas escapou em chamas e a estátua milagrosa, apesar das profanações, permaneceu de pé! Depois de dias muito ruins e emoções terríveis, finalmente ficamos um pouco quietos. O canhão não pode mais ser ouvido; mas, infelizmente, agora sabemos toda a terrível verdade e todos os crimes que foram cometidos.” 29 de Maio de 1871

Entre os crimes que cometeram, os Communards mataram “in odio fidei” – por ódio à fé – 31 Servos de Deus Mártires

No dia 24 de Maio de 1871, foi baleado na prisão de La Roquette, cerca das 20h30, o arcebispo de París, Georges Darboy na companhia do Padre Gaspard Deguerry, Pároco da Madeleine, do Padre Jean-Michel Allard, Capelão das Ambulâncias, e dois Jesuítas: o Padre Léon Ducoudray, Reitor da École Sainte-Geneviève e o Padre Alexis Clerc.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-47.png
Os restos mortais do Arcebispo Darboy durante as exéquias fúnebres

A 25 de Maio de 1871, foram massacrados ao final da tarde, na rua, perto da Porte d’Italie: os Dominicanos do Colégio de Arcueil. Seu Superior era o Padre Louis-Raphaël Captier que fundou o Colégio. Com ele foram executados outros quatro Padres de sua Ordem: o Padre Thomas Bourard, o Padre Constant Delhorme, o Padre Henri Cottrault e o Padre Pie-Marie Chatagneret e ainda oito leigos que eram seus servos (auxiliares) do Colégio: Louis-Eugène-Antoine Gauquelin (Professor de Matemática), François – Hermand Volant (Supervisor), Aimé Gros (Servo), Antoine Gézelin Marce (Servo), Théodore Catala (Supervisor), François-Sébastien-Siméon Dintroz (Enfermeira), Marie-Joseph Cheminal (Eervo) e Germain-Joseph Petit (Tesoureiro). Todos estes tinham sido detidos no dia 19 de Maio de 1971 e encarcerados no Forte Bicêtre, onde passaram fome e sede e depois no dia 25 de Maio sob o pretexto de os levar de Biceter a outro presídio localizado na Avenue d’Italie, foram massacrados na rua.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-41.png
Execução de reféns, Rue Haxo, a 26 de Maio de 1871

A 26 de Maio de 1871, pelas 15:00h, outros quarenta e nove presos foram retirados da Prisão de La Roquette e levados para as alturas de Belleville: Eram 33 Guardas Prisionais Parisienses, 2 Gendarmes (Polícias), 4 Delatores e 10 Clérigos escolhidos ao acaso.

Supervisionados pelos Federados, esses reféns caminharam pela cidade até à Rue Haxo, onde chegam por volta das 17h30h. Apesar da relutância de seus Chefes Militares, cedendo aos gritos de uma multidão de morte, os Federados atiraram à vontade por um quarto de hora sobre os reféns, todos exterminados em frente ao muro alto que era da Rue du Borrégo, no auge do a atual Maison des Jeunes.

Na lista dos eclesiásticos que foram massacrados estão também os Padres Jesuítas; Pierre Olivaint, Reitor da Casa da Rue de Sèvres, Jean Caubert e Anatole de Bengy; os Padres da Congregação dos Sagrados Corações de Picpus, Ladislas Radigue, Polycarpe Tuffier, Marcelino Rouchouze e Frézal Tardieu; um Padre Secular de nome Jean-Marie-Noël Sabattier, Vigário da Igreja de Notre-Dame de Lorette; um Religioso de São Vicente de Paulo de nome Matthieu-Henri Planchat; e o Padre Paul Seigneret, do Seminário de Saint-Sulpice.

A 27 de Maio de 1871, também sofreram o Martírio, o Monsenhor Alexis Auguste Surat, Arquidiácono de Notre-Dame de Paris, que havia sido preso ao mesmo tempo que o Arcebispo Darboy e o Padre Émile-Victor Bécourt, Pároco de Notre-Dame de Bonne Nouvelle.

Finalmente, o Padre Jean-Baptiste Houillon das Missões Estrangeiras de Paris, que tinha da China em licença Médica em 1869, foi massacrado pelos federados no Boulevard Richard Lenoir durante uma transferência de prisioneiros.

Depois de estabelecida a ordem pública e executados os Federados da Commune por sentença do Tribunal Militar do Exército, foi tempo de realizar as exéquias fúnebres das vítimas dos massacres.

Foi nesta altura que foram piedosamente guardas no “Mesnil-Marie” algumas relíquias dos Mártires incluindo cinco envelopes lacrados com os nomes dos cinco Jesuítas martirizados em 24 e 26 de Maio de 1871 e contendo pedaços de suas batinas ensanguentas.

No ano de 1889, um Oratório básico foi construído no local das execuções do 81 Rue Haxo e depois substituído em 1894, por uma Capela de 250 lugares, ampliada novamente quatro anos depois sendo uma igreja, desenhada pelo Arquitecto Julien Barbier,  construída mais tarde no local entre 1936 e 1938 e chamada de Notre-Dame des Otages.

A seguir ao Arcebispo Marcel Darboy, a figura mais conhecida e estimada pelos Parisienses vítima dos massacres foi o Monsenhor Alexis Auguste Surat, Vigário Geral da Diocese de Paris que foi detido nos Paços da Arquidiocese de Paris a 5 de Abril de 1871, em plena Semana Santa e encarcerado no depósito da Prefeitura de Polícia. Em seguida, foi levado para a Prisão de Mazas a 13 de Abril e, em seguida, para La Grande Roquette, a 22 de Maio onde foi finalmente executado a 27 de Maio, durante a Semana Sangrenta, o episódio final da Commune de Paris.

Portrait de Monseigneur Surat (1804–1871), prélat et principier de Saint-Denis. Date de création: 1860–1890. Numéro d’object: CARPH056691.
Um retrato carte-de-visite do Monsenhor Alexis Auguste Surat (1804-1871), popularmente chamado de “Abbé Surat” e que foi Arquidiácono de Nôtre-Dame de Paris
(Colecção da Regalis Lipsanotheca)

O grandioso funeral do Monsenhor Surat, teve lugar na Catedral de Notre Dame e foi documentado na imprensa da época.

A Sepultura deste grande homem da Igreja Parisiense e que foi colaborador de cinco Arcebispos, encontra-se no Coro da Igreja Saint-Pierre de Charenton.

Missa e Exposição do 150º Aniversário do Massacre

No passado Sábado, 5 de Junho de 2021, Monsenhor Guy Marie Alexandre Thomazeau, Arcebispo Emérito de Montpellier, presidiu uma Missa em memória do Monsenhor Surat na Igreja de Saint-Pierre de Charenton, pelo 150º Aniversário do seu Martírio. A celebração foi seguida da inauguração de uma Exposição temporária composta por 10 grandes painéis abundantemente ilustrados com obras de arte e documentos de arquivo relativos ao massacre ou massacres de 1871.

Paris durante a Semana Sangrenta de 1871

Por meio de um retrato documentado do Monsenhor Surat e de uma apresentação dos bispos a quem serviu ao longo de sua vida, os visitantes poderão abordar a trajetória deste homem da Igreja tão zeloso quanto discreto: seu senso de dever, sua dedicação, seu compromisso como Superior da Associação de Jovens Ecônomos de Conflans, em particular.

A exposição irá, evocar também a Congregação das Senhoras do Sagrado Coração (fundada por Madeleine Sophie Barat) à qual o Monsenhor Surat prestou assistência regular.

Ficarão também expostos os laços estreitos, alimentados pelo afeto, que o Monsenhor Surat mantinha com Charenton. Ele testemunhou a transformação da Commune cujo centro passou do Distrito de Conflans para o atual centro da cidade, e até mesmo a encorajou e abençou a primeira pedra da nova Igreja Paroquial a 19 de Agosto de 1857.

Finalmente, antes de viver a história de sua prisão e o drama de sua execução, será relevante, através da exposição mergulhar de volta na cronologia dos factos que levaram à Constituição da Commune de Paris em 1871.

Gravura do Massacre de monsenhor Darboy, Arcebispo de Paris e dos prisioneiro de La Roquette incluindo o Monsenhor Alexis Auguste Surat. Colecção Museu Carnavalet

Dentro da Igreja pode-se ver os elementos patrimoniais também ligados ao Martir: em primeiro lugar, o túmulo de Monsenhor Surat marcado por uma placa de mármore colocada atrás do altar-mor da Igreja de Saint-Pierre, mas também como testemunho comovente de sua prisão, a porta da cela (6ª divisão, cela 53) que ocupou na Prisão de Mazas. Este último foi emprestado para a exposição, de forma muito excepcional, pelo serviço do Arquivo Histórico da Diocese de Paris.

Fotografado por Pierre Petit de Paris.
Uma inscrição com tinta na impressão diz: ‘Surat / fusillé par la Commune” [Surat, fuzilado pela Commune], enquanto outra inscrição na margem inferior diz: “Monsenhor Surat, – baleado durante a Commune”.

Um Guião de visita permite, a partir do mapa presente no interior, circular entre os vários locais emblemáticos da presença do Monsenhor Surat em Charenton. Explicações e ilustrações pontuam cada etapa do percurso. O Guião também oferece algumas referências biográficas e históricas para situar Monsenhor Surat e seu tempo.

As visitas guiadas à Exposição em Junho permitiram aos inscritos descobrirem também vários locais emblemáticos da Cidade ligados à memória do Monsenhor Surat: o local do antigo Castelo de Conflans, a Residência de verão dos Arcebispos de Paris, a Igreja de Conflans, o antigo Cemitério e finalmente, a Igreja de Saint-Pierre onde o Monsenhor Surat, acompanhou ativamente o canteiro de obras. Outras visitas guiadas serão oferecidas como parte dos Dias do Patrimônio Europeu em 18 e 19 de Setembro.

Igreja de Saint Pierre
Túmulo do Monsenhor Surat
Túmulo do Monsenhor Surat
Túmulo do Monsenhor Surat
Missa pelo 150º Aniversário do Martírio do Monsenhor Surat
Missa pelo 150º Aniversário do Martírio do Monsenhor Surat
Missa pelo 150º Aniversário do Martírio do Monsenhor Surat
Exposição na Igreja de Saint Pierre

Relíquia do Monsenhor Surat descoberta na Coleção da Fundação

Acaba de ser descoberta uma preciosa relíquia do Monsenhor Alexis Auguste Surat que havia sido colocada numa chamada “Moldura de Luto” pelos seus amigos e devotos (membros do Instituto da qual era Superior) e que foi recentemente identificada e adquirida para a Regalis Lipsanotheca pelo Perito em Relíquias Carlos Evaristo.

“Trata-se do escapulário , em pano, estampado com uma imagem de Nossa Senhora do Carmo,  que este Mártir usava e tinha no seu corpo quando foi executado em 1871”, garante Evaristo que descobriu que esta relíquia que contêm manchas de suor e sangue da paixão e morte do Monsenhor Alexis Auguste Surat tendo sido removido do seu corpo durante a preparação do cadáver para as exéquias fúnebres.

Segundo o Fundador da Regalis Lipsanotheca, Carlos Evaristo; “Esta relíquia é única. Não se conhece que tenha sido guardada outra do martírio deste grande Clérigo de Paris e Zelador das Relíquias Insignes da Catedral de Notre Dame e por isso temos grande honra em incorporar este artefacto histórico que é uma relíquia insigne na Colecção de Relíquias da Catedral de Notre Dame que já temos.”

O Capelão Mor Padre Carlo Cecchin com a Relíquia do Monsenhor Surat

O Co-Fundador da Colecção,  o Padre Carlo Cecchin, Sacerdote da Arquidiocese de Paris, é o Capelão – Mor da Regalis Lipsanotheca e do Apostolado, tendo também contribuído significativamente com relíquias insignes da sua colecção pessoal para a Capela / Museu em Ourém da Fundação, acha a descoberta e identificação desta relíquia, e especialmente neste ano em que se comemora os 150 anos do Martírio das vítimas da Comnune de Paris, algo extraordinário. O Padre Cecchin após colocar o relicário no Altar Mór da Regalis Lipsanotheca em Ourém, relembrou o sacrifício destes Cristãos durante a celebração da Missa.

A Short History of the Paris Commune - RLS Geneva
1871: A estátua derrubada de Napoleão I na Place Vendome

Para o Guardião das Relíquias, Carlos Evaristo; “Esta relíquia deve de servir também para relembrar o que aconteceu em Paris na Semana Sangrenta de 1871 e servir de lição. Á semelhança dos massacres que houve com a perseguição de Cristãos na Roma antiga, as guerras e conflitos e até o holocausto Judeu, esta insurreição em Paris relembra a fragilidade da liberdade social e religiosa. É algo que infelizmente se repetiu e se repete mundialmente até aos dias de hoje. Qualquer crise desencadeia episódios desses. Recentemente, vimos com as mortes, pilhagens, destruição e remoção de monumentos públicos que este espírito de arranjar bodes expiatórios para as coisas que correm mal na sociedade, tal como o Covid, a morte de inocentes, etc., e algo recorrente. O que é muito mau é que nem os mortos escapam à fúria! Quando algo corre mal, as pessoas precisam de um bode expiatório e a Igreja Católica e os heróis do passado costumam ter esse papel com consequências muitas vezes sangrentas e fatais para os líderes, religiosos e leigos contemporâneos. Muitas vezes são as crenças, os monumentos religiosos, relíquias, e também as estátuas dos heróis da pátria e figuras históricas homenageados pelos nossos antepassados, que se tornam objectos de ódio, raiva e vingança. Os monumentos substituem os mortos porque já não estão mais cá as pessoas que representam para que pudessem ser torturados. As pessoas podem ter muitos cursos e formações e diplomas para forrarem as paredes, mas se não tiverem cultura e uma sensibilidade cultural e artística, respeito pela história e civismo, ou facilmente tornamo-nos nos tais cegos a seguirem outros cegos que podem até cometer actos violentos contra vitimas inocentes. É preciso conhecer minimamente a história antes de se agir se não cometem-se barbaridades .”  

“Escapulário do nosso muito honrado e digno Padre Superior Mons. Surat”

La Semaine Religieuse de Paris na edição de 17 de Junho de 1871, relatou nas páginas 458 a 462, as exéquias fúnebres do Arcebispo Darboy e do Monsenhor Surat que tiveram lugar da Catedral de Notre Dame.

“Na quarta-feira, 7 de Junho de 1871, a velha Basílica de Notre-Dame ofereceu à cidade de Paris e ao mundo um espetáculo do caráter mais imponente. Religião e país deram as mãos para aumentar seu brilho. No meio da nave, sob um altíssimo catafalco, jazia o corpo de Monsenhor Darboy, fuzilado em La Roquette no dia 24 de Maio anterior, em ódio à religião e à verdadeira liberdade; em torno dele estavam dispostos os caixões de vários padres que, tendo seguido seu bispo até a morte e para a glória do Céu, foram associados a ele nas honras que a França se mostrou ciumenta de render ao Martírio.

O Episcopado Francês, representado por dez de seus membros, o Governo, a Assembleia Nacional, o Exército, a Magistratura, todas as Administrações, uma multidão imensa, se reuniu com essas nobres vítimas para lhes trazer, de certa forma, a homenagem do Pátria Mãe de luto.

No dia seguinte, uma cerimônia que parecia continuar a do dia anterior atraiu novamente a Notre-Dame um extraordinário concurso de Padres e fiéis. Nada havia sido alterado no layout das instalações. Toda a igreja pendurada de negro e adornada com palmeiras, inúmeras tochas que pareciam iluminar a esperança neste recinto de luto, soberbo catafalco erigido no fundo do santuário, a pompa que rodeava o altar durante o santo sacrifício celebrado pelo Cónego Louvrier, o coro ressoando com canções harmoniosas: tudo mostrava esse brilho que os cônegos haviam resolvido conceder honras especiais a uma memória gloriosa e simpática. Essas homenagens foram dirigidas aos restos mortais de Monsenhor Surat, Protonotário Apostólico, Vigário Geral de Paris, Arquidiácono de Notre-Dame, assassinado em La Roquette, no Sábado, 27 de Maio, pelos rebeldes de Paris.

Pareceu aos veneráveis ​​Cônegos que não bastava ter, na véspera, colocado seu caixão perto do do Arcebispo e ter confundido as duas vítimas em homenagens coletivas; quiseram mostrar com uma cerimónia muito especial a estima e o carinho singular com que guardaram a memória daquele que durante muito tempo foi seu colega, depois seu Chéfe e sempre seu amigo. Ao fazê-lo, o Capítulo Metropolitano satisfazia uma necessidade do seu coração, cumprindo o desejo de todo o Clero de Paris e honrando dignamente uma vida que é elogiada, ao que parece, muito bem dizendo que o martírio era digno dele.

Nascido em Paris em 27 de Fevereiro de 1804, o Monsenhor Surat, depois de ter estudado na pequena comunidade, então no Seminário de Saint-Sulpice, foi chamado ao Arcebispado de Paris, onde desempenhou, de 1828 a 1840, as funções de Secretário Privado do Arcebispo de Quélen.

Os modestos deveres reservados ao Padre Surat são delicados o tempo todo; foram especialmente importantes com o ilustre Prelado cujo nome evoca a memória de uma época dolorosa para o Arcebispo de Paris. Mas as dificuldades de mais de um que ele encontrou quase todos os dias não foram não melhor do que a inteligência e o grande coração do jovem Secretário. Ele sofreu as provações de que a vida do Bispo de Quélen foi composta; mas foi agradável para ele suavizá-los, multiplicando as provas de sua afeição e devoção. Seria comovente e instrutivo em mais de uma maneira reconstituir a vida do Padre Surat durante esse tempo.

Nomeado Cônego Honorário dez meses após assumir o Cargo, e Cônego titular em 1838, o Monsenhor Surat deixou a Arquidiocese com a morte do Bispo Quélen e por alguns anos limitou-se a cumprir suas funções como Cônego titular. Mas, em 1844, Monsenhor Affre confiou-lhe a Paróquia de Notre-Dame de Paris, conferindo-lhe a dignidade de Arcipreste. Com o encargo Pastoral, um novo campo de ação se apresentou ao zelo do Padre Surat.

Ele condescendia com o espírito do Ministério Paroquial com ardor temperado com prudência, e com atividade tanto mais eficaz quanto grande moderação a tornava mais constante e duradoura.

Os Arcebispos de Paris, sucedendo-se na Sé, como o Bispo Quélen, pareciam herdar sua estima pelo Padre Surat. O Bispo Sibour pediu-lhe, ou melhor, obrigou sua modéstia a aceitar o título de Vigário-Geral e Arquidiácono de Saint-Denis. Nomeado Arquidiácono de Sainte-Geneviève em 1850, foi confirmado nessas mesmas funções em 1857 pelo Bispo Morlot, e pelo Bispo Darboy em 1863. No final desse mesmo ano, ele sucedeu ao Padre Buquet, nomeado Bispo de Parium e Cônego de Saint-Denis. Em 1867, nosso Santo Padre Pio IX, para homenagear a carreira eclesiástica do Monsenhor Surat, nomeou-o Protonotário Apostólico ad instar participantium.

Este seria o lugar para mostrar ao Monsenhor Surat o homem justo e benevolente no exercício da autoridade eclesiástica. Justiça e benevolência, essas duas qualidades formam o caráter comum que é encontrado em fundo de todos os pensamentos, de todos os actos de Monsenhor Surat; estas duas palavras resumem a sua vida como Vigário Geral: justiça, não na fidelidade para ter uma conta exacta de todos os direitos positivos, o elogio teria pouco valor, mas a justiça escrupulosa que se mantém dona de seu pensamento, nunca obrigue a expressão, pois medo de prejudicar o vizinho, que não desconfia de suas antipatias que raramente conheceu e que não ouviu a expressão, por medo de prejudicar o vizinho, que não desconfiou de si mesma não de suas antipatias que raramente conhece e que nunca ouviu a, mas que adverte contra suas simpatias quando ela se recusa a buscar a inspiração de suas ações.

Benevolência e benevolência em todos os momentos, para todos, para todas as coisas que dizem respeito à glória de Deus, à honra da Igreja, à dignidade do sacerdócio, à vida religiosa da Diocese. Não que o Monsenhor Surat tivesse uma flexibilidade que beira a ausência de caráter, vimos em muitas circunstâncias com que energia fria e inabalável essa alma gentil e condescendente se revestiu, por assim dizer, até o ponto da bonomia. mas havia tal brilho de pensamentos amorosos, que as recusas, passando por seus lábios, perderam o que a auto-estima do peticionário poderia ter achado ofensivo neles. Não há medo de ser contradito: ninguém jamais encontrou nas palavras do Monsenhor Surat nada, nem mesmo censuras, que não estivesse marcado no canto da gentileza Cristã.

Cristã, sim, essa é a palavra de sua vida; todas as virtudes externas são apenas a expressão dela. É na fidelidade às práticas religiosas, numa piedade sincera e fervorosa, numa piedade infantil, que ele extraiu o segredo para imprimir em toda a sua vida um caráter de força serena, de virtude sempre igual a si mesma. Nada foi mais edificante, nada mais comovente do que ver o Venerável Monsenhor Surat, no final de seus dias agitados, buscar e encontrar consolações infalíveis na recitação de seu rosário, prática de piedade à qual, sabemos., Ele nunca falhou .

Quarenta anos passados ​​na administração diocesana desgastaram a saúde e exauriram as forças do venerado e amado prelado. Por dois anos ele se alimentou e confidenciou a seus amigos e colegas pensamentos sobre a aposentadoria. Depois de ter consagrado ao bem dos outros o ardor de sua juventude, a força da maturidade e a experiência de sua velhice, parecia-lhe que havia adquirido o direito de pertencer a si mesmo por um tempo e, sozinho consigo mesmo, de prepare-se para aparecer diante de Deus. Era nas profundezas da Bretanha, numa aldeia onde só seria conhecido de Deus e dos pobres, pensava ele, que iria acolher os restos de uma vida consagrada ao serviço da Igreja. Se este projeto, inspirado pela humildade e pela desconfiança de si mesmo, não encontrou sua realização antes, é porque o Arcebispo, os colegas, os amigos de Monsenhor Surat sempre lhe deram uma oposição afetuosa, mas constante. Quem então teria visto sem pesar a partida de um homem da Arquidiocese e de Paris, com quem todos encontraram luz, força e consolo, alguns um amigo, outros um pai, todos um conselheiro sábio e benevolente?

O próprio Deus decidiu que o Monsenhor Surat não deixaria a Arquidiocese, nem sairia apenas para entrar no Céu pela porta luminosa do Martírio.

O Arcebispo tinha sido preso na Terça-feira Santa, por volta das cinco da tarde, o Monsenhor Surat devia ser preso por volta das onze: só foi preso no dia seguinte, porque seus dois servos, eu ia dizer o seu dois filhos, conseguiram pelos cabelos brancos de seu amado e amado senhor um adiamento de vinte e quatro horas. Ele foi levado embora na Quarta-feira Santa pela manhã. Embora doente e com o coração partido pelas emoções mais pungentes, ele permaneceu ele mesmo, isto é, gentil e calmo para com seus carcereiros ou melhor, seus algozes, que pareciam tocados por um momento. Ao ver um homem velho tão fraco e tão forte . A virtude é tão império que causa sentimentos generosos nos corações onde não haveria espaço para nada humano!

O que Monsenhor Surat sofreu na Conciergerie, depois em Mazas, finalmente em La Roquette; A firmeza e a resignação cristãs que o colocam acima de todas essas provações, seus últimos atos, suas últimas palavras, tudo isso sem dúvida nos será revelado por um de seus companheiros na desgraça e na glória para a edificação de todos. Mas a julgar pelas notas que transmitiu por último a vários de seus amigos, e em particular a seus servos fiéis e devotados, estamos convencidos de que ele pensou, falou, agiu e que morreu como homem, como cristão e como sacerdote . “Tudo na Santa Vontade de Deus, que ele seja abençoado por todos e por todos”, disse ele em sua última carta. Os algozes que admiravam a constância e o frio heroísmo do venerável velho teriam encontrado nestas palavras a explicação de um fenômeno que os causou faça todas as aparências do mistério.

A hora do sacrifício supremo havia chegado para o Monsenhor Surat; foi consumido no sábado, 27 de Maio. Por um momento, o cálice da dor pareceu se afastar do piedoso cativo. A bandeira francesa, que avançou nas mãos vitoriosas dos nossos soldados, parecia trazer esperança e liberdade às vítimas do despotismo da lama. Muitos, de fato, foram salvos; mas o Monsenhor Surat não estava entre esse número. Ele foi preso assim que acreditou que estava perto da libertação, levado de volta à prisão para jovens prisioneiros, rue de la Roquette, e baleado ao longo da parede externa da prisão. Seu corpo horrivelmente desfigurado foi reconhecido na manhã de Segunda-feira por seu criado, Charles Dumoutier, e um Secretário da Arquidiocese, e voltou ao Palácio Arquiepiscopal. Seu caixão, exposto ao lado do corpo do Arcebispo, foi durante oito dias objeto da piedosa veneração dos fiéis. Ele não ficou por um momento sem ser coberto por flores, um símbolo tocante dos sentimentos e arrependimentos imortais que sua memória guardava nos corações.

Essas marcas de afeto e respeito o acompanharam até seu último lar. Transportado para a igreja de Charenton, após o serviço celebrado em Notre-Dame de Paris, o corpo do Monsenhor Surat foi recebido durante toda a viagem com os sentimentos que um pai ou um amigo encontraria ao retornar para sua família, a população de Charenton e de Conflans, a administração municipal e o conselho de fábrica na liderança, haviam assumido a obrigação sincera de comparecer à cerimônia piedosa, triste e consoladora. Graças à delicada e ansiosa ajuda oferecida, ao que parece, pelo comitê de delegados das fábricas de Paris, a igreja de Charenton recebeu uma condecoração digna do falecido e o afeto geral que quarenta anos de dedicação e dedicação lhe renderam. caridade.

Quantas lágrimas foram derramadas em seu túmulo! Quantos panegíricos eloqüentes ressoaram por esta terra fechada de veneráveis ​​e sagrados despojos! Sim, santo, porque eles são de um Mártir. Lágrimas dos pobres que ele resgatou, o gemido de milhares de almas que ele consolou, vocês que o premiaram pelo menos aqui embaixo, o mais belo, o mais desejável dos triunfos.

E agora descanse em paz, piedoso e amado prelado, depois de ter dado à Igreja o seu tempo, a sua força, você deu a ela o seu sangue. Você nos deixou o exemplo de sua vida e o exemplo de sua morte; descanse em paz, sua alma está com Deus nos céus, e sua memória é uma bênção entre os homens.”

FONTE: https://paroisse-charenton.org/

24 de Julho de 2021

Porta da cela (6ª divisão, cela 53) na Prisão de Mazas
onde esteve preso o Monsenhor Surat
Envelopes com Relíquias de fragmentos de roupa dos Mártires de Paris

 

 

Inf. de Carlos Evaristo, Perito em Relíquias Sagradas

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*