24 de novembro: quarta-feira vermelha (#RedWednesady)

«…o evento procura sensibilizar as pessoas para o drama da perseguição religiosa através da iluminação simbólica de vermelho de alguns edifícios» (Fundação Pontifícia AIS)

 

Há uns anos atrás, não sei precisar, ouvi o actual Patriarca dos Caldeus, Cardeal Dom Luis Rafael Sako, ao terminar a sua intervenção sobre a perseguição aos cristãos dizer: «Não se esqueçam de nós! Somos vossos irmãos.» É verdade, mas muito infelizmente esquecemo-nos destes «nossos irmãos» que todos os dias e há muitos anos se veem perseguidos, assassinados, torturados ou fugir da sua terra e a abandonar os seus (parcos) bens à procura de paz e de um pouco mais de liberdade. Os “corvos” dos direitos humanos não se pronunciam. São os mártires do nosso tempo onde há exemplos de verdadeiro martírio. O egoísmo e egocentrismo de cada um de nós não se manifesta nem reza!

O apelo que acima referi deu origem a um movimento fundado pela Militia Sanctae Mariae – cavaleiros de Nossa Senhora e que está presente em 3 países (Portugal, França e Brasil): «Círculo Internacional SHAHBAZ BHATTI», homenageando o cristão paquistanês, ministro das Minorias do Paquistão, assassinado por causa da sua e nossa Fé e ao lançamento de uma iniciativa de oração dedicando o dia 7 de cada mês à oração pelos nossos irmãos perseguidos.

Em sintonia e colaboração activa com a FUNDAÇÃO PONTIFÍCIA AJUDA À IGREJA QUE SOFRE – AIS, associação internacional de apoio a estes cristãos um pouco por todo o mundo, a MSM, tem realizado várias acções de sensibilização para estes novos mártires. Não se esquecem os Protomártires nem os mártires de todos os séculos, passando pelo genocídio, no início do século XX, dos arménios (recordo que em 310 a Arménia tornou-se o primeiro Estado cristão no mundo) massacrados pelos muçulmanos otomanos da Turquia, país que ainda hoje nega este verdadeiro genocídio. Ou os mártires do nazismo (não foram só os judeus a serem massacrados, será bom nunca o esquecer) ou comunismo em todo o mundo e até hoje (veja-se o caso clamoroso da China).

Há vários anos que a AIS tem promovido em todo o mundo uma iniciativa digna de todo o aplauso e apoio. Esta instituição pontifícia pede que o dia 24 de novembro as fachadas das igrejas, monumentos e outros edifícios, sobretudo à noite desse dia, se iluminem de vermelho a recordar e sensibilizar os cristãos e não só para o drama pungente que raramente passa nos media: a perseguição aos cristãos. É uma bela iniciativa e que deve merecer todo o nosso apoio. E, por que não, colocarmos fachas vermelhas nesse dia nas nossas varandas e janelas? Ou, para quem usa gravata, colocar uma vermelha?

Precisamos de nos sensibilizarmos para a dor e sofrimento por que passam estas nossos irmãos. Contagiemos os nossos amigos. Convoquemos todos os homens defensores dos Direitos Humanos para a defesa deste direito fundamental – o direito à liberdade de culto.

Concluindo: DIA 24 de NOVEMBRO iluminemos as fachadas de todos as igrejas, de todos os monumentos e… porque não da nossa casa e ponhamos uma gravata vermelha, a cor do sangue derramado pelos cristãos perseguidos (também na Europa!).

 

Carlos Aguiar Gomes * Professor * Braga

 

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*