Sentir Romano: a Palavra e a Música (XV)

Saluti a tutti!

Hoje celebramos o 34º domingo do Tempo Comum (Ano B), Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo e Jornada Mundial da Juventude.

O Papa Pio XI instituiu a festa de hoje a 11 de Dezembro de 1925 com a Encíclica “Quas Primas”.

Para além de todas as conotações históricas e culturais desta festa, penso que é importante captar a essência da celebração de hoje de Cristo “Rei do Universo”.

Uma realeza imbuída da fraqueza de um Deus que foi insultado, espancado e morto; uma realeza que se detém na nossa liberdade; uma realeza que nunca nos abandona quando nos refugiamos naquela paz aparente com um gosto residual de morte, e que é capaz de superar toda a nossa resistência oculta com um amor inimaginável e uma misericórdia infinita.

Paulo VI, na sua homilia dada em Manila a 29 de Novembro de 1970, resume admiravelmente e essencialmente a realeza de Cristo nas nossas vidas:

“Jesus é o Cristo, o Filho vivo de Deus”. Ele é o revelador do Deus invisível, é o primogénito de todas as criaturas. Ele é o fundamento de todas as coisas. Ele é o Mestre da Humanidade, e o Redentor. Ele nasceu, morreu, ressuscitou por nós. Ele é o centro da história e do mundo. Ele é aquele que nos conhece e nos ama.  Ele é o companheiro e amigo da nossa vida. Ele é o homem da tristeza e da esperança. Ele é aquele que virá e que deverá um dia ser o nosso juiz e, como esperamos, a plenitude eterna da nossa existência, a nossa felicidade”.

A antífona do ofertório para a celebração de hoje é retirada do Salmo 2 (Sl 2,8) com o seguinte texto: “Postula a me, et dabo tibi gentes hereditatem tuam, et possessionem tuam terminos terrae” (Pede-me, e eu te darei os povos como herança e os confins da terra como tua posse).

A música anexa é do maestro Massimo Palombella.

A actuação ao vivo é da Cappella Musicale Pontificia “Sistina” na Celebração Papal a 23 de Novembro de 2014.

 

Desejo um santo domingo e uma boa semana.

P. Bruno Ferreira * Porto * Roma

 

 

 

 

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*