Os pobres abraçam-se, não se contam

1. À vista desarmada, o que ouvimos não parece Boa Nova, Palavra de Vida ou de Esperança, neste tempo tão angustiante da crise pandémica, que ainda nos aflige. As leituras, em tom apocalíptico, parecem-nos mais um noticiário diário medonho, onde abundam as imagens terríveis da crise ecológica, com as cheias dos rios e as marés cheias dos mares a galgar, com os incêndios a devastar florestas, terramotos e vulcões em erupção… Nem a COP26 nos dá grande esperança de reverter o caminho destrutivo do mau uso e abuso da Terra, nossa Casa Comum.

2. Mas a Palavra de Deus só pode ser uma Boa Nova de esperança! E, mesmo com sinais de alerta vermelho, ela oferece-nos, pelo menos, três pensamentos positivos para um verdadeiro plano de recuperação e resiliência na tua vida.

2.1.O primeiro pensamento positivo é que uma crise é sempre um processo de crescimento. Para uns, pode degenerar em tempo de angústia e aflição, mas para outros, oferecer uma oportunidade de recuperação, de resiliência, de salvação. Como disse o Papa Francisco: De uma crise, como desta crise pandémica, ou se sai melhor ou se sai pior. Não há um meio-termo. E a escolha está nas tuas mãos. Ou escutares a espantosa realidade das coisas, ouvires os sábios, leres os sinais dos tempos, discernires, em conjunto, as melhores escolhas e avançares com todos por um caminho novo. Ou cuidares da tua vidinha, isolares-te no teu mundo e quem vier a seguir que feche a porta! Ora, o lado positivo da mensagem é este: o que estás a assistir não é o fim do mundo. É apenas o fim de um mundo velho que acaba e o princípio de um mundo novo que começa. Escolhe a melhor parte!

2.2. O segundo pensamento positivo é este: mesmo se te parece que o mundo está a desabar, deves pôr a tua confiança em Jesus e nas Suas palavras, porque elas são como rocha firme sobre a qual podes apoiar a tua vida; são palavras que jamais passarão de moda. Estas palavras ajudar-te-ão a ler o livro da tua vida e a descobrires que há um sentido escondido em todas as coisas, mesmo naquelas que parecem não ter sentido nenhum. O teu nome está inscrito no grande livro da Vida. Deus conhece a história e a tua vida está nas Suas mãos. Mas está também nas tuas mãos vivê-la de modo atento e responsável, por exemplo, cuidando da criação como guardião e jardineiro e não como dominador e abusador!

2.3. O terceiro pensamento positivo é este: mesmo se tudo te parece sombrio, escuro e obscuro, mesmo se não vês luz ao fundo do túnel, mesmo se estás a ponto de perder toda a esperança, a luz de Cristo brilhará ainda e cada vez mais sobre ti. Jesus vem ao teu encontro para iluminar o teu caminho e dizer-te: O fim do teu caminho não é o abismo, o nada, o vazio. A tua vida é um caminho com saída para a Vida plena, para a vida eterna, que hás de alcançar, no fim, quando Eu vier, no último dia, para o encontro definitivo. Mas a ti cabe-te, por agora, acordares para a vida, desbravares caminhos de justiça, lutares pelos novos céus e pela nova terra, a começar pelo canto estreito ou pelo canteiro mais pequenino da tua vida!

3.Querido irmão, querida irmã: Deus não está longe de ti. Ele está mesmo à porta, quer entrar na tua vida, aquecer o teu coração, como o Noivo que vem ao encontro da amada, que O espera de coração vigilante. Abre-Lhe as portas de todos os teus sentidos, para O veres e receberes! Ele bate à tua porta, do lado de fora, para entrar e habitar o teu coração. Ele bate à tua porta, do lado de dentro, para te fazer sair com Ele ao encontro dos teus irmãos mais pobres.

Neste 5.º Dia Mundial dos Pobres, o Papa Francisco recorda-te: Não fiques à espera que os pobres batam à tua porta. Vai ao seu encontro, lá onde eles estão: em casa, nas margens da rua, no lar, no hospital… Não me perguntes se há pobres ou quantos pobres há! Pobres sempre os terás (cf. Mc 14,7). Os pobres abraçam-se, não se contam. Mas olha que contarão e muito… pois o cuidado que tiveste com eles pesará, a teu favor, na balança do juízo final!

 

P. Amaro Gonçalo * Pároco da Senhora da Hora (Matosinhos) * Diocese do Porto

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*