A presença da comunidade ortodoxa russa no Porto

Em Portugal as paróquias ortodoxas apareceram no início dos anos 2000, seguido por imigrantes de países ortodoxos da Europa Oriental. Actualmente, existem seis paróquias da Igreja Ortodoxa Russa nas diferentes zonas dos país. A comunidade cristã ortodoxa do Porto, organizada a pedido dos fiéis em 2003. Desde 2007, já há um sacerdote permanente. A nossa paróquia é multinacional, paroquianos são crentes da Rússia, Ucrânia, Bielorrússia, Cazaquistão, Geórgia, Bulgária, Moldávia, Roménia, Letónia, entre outros países.

O centro da nossa vida paroquial é a adoração, o serviço principal – a Divina Liturgia. A comunidade é pequena: Aos Domingos, na igreja vêm por volta de 30-40 pessoas. Após o serviço, há uma agape durante a qual as pessoas podem comunicar umas com as outras e colocar perguntas ao sacerdote.

Existe também um grupo bíblico, um clube de jovens, uma escola para crianças e um coro infantil. A paróquia também organiza exposições de arte e concertos de música sacra.

O movimento ecuménico no Porto é bastante intensivo e a nossa comunidade participa nele juntamente com a Igreja Católica Romana, Igreja Lusitana, Metodista, Evangélica alemã, entre outras.

Vale a pena ressaltar que a nossa paróquia, bem como outras comunidades ortodoxas em Portugal, realiza cultos nas igrejas e capelas, que nos foram cedidas pela Igreja Católica Romana.  Permanecendo no território canônico da Igreja Católica Romana, as comunidades ortodoxas são atendidas pelos seus irmãos cristãos ocidentais com hospitalidade verdadeiramente fraterna.

Enquanto permanecem na Europa Ocidental, os cristãos ortodoxos estudam com grande interesse a herança da Igreja Ocidental na liturgia, hagiografia, patrística, arte. Por exemplo, a nossa comunidade fornece publicações de artigos nos meios de comunicação russos sobre santos que serviram no norte do Portugal medieval, como São Martinho de Dume ou São Frutuoso de Braga.

Um evento importante nessa área foi a criação do ícone dos Três Hierarcas: São Martinho de Dume, São Frutuoso de Braga e São Rosendo. A obra foi feita pela nossa paroquiana Marina Chabana com a ajuda e participação do professor da Universidade do Porto Dr. Luis Carlos Amaral. O ícone foi pintado na tradição ortodoxa, mas com as características iconográficas da Igreja Católica Romana.

Outra forma de conhecimento da cultura cristã local são as peregrinações paroquiais a santuários locais.

A paróquia também organizou viagens de fiéis de visita às relíquias de São Frutuoso em Braga, que se encontram no templo antigo do século IX, para o lugar de localização do mosteiro de Dume em Braga, onde trabalhou São Martinho, as relíquias do Santo Mártir Torcato (século VIII) em Guimarães. Numa dessas viagens, visitámos o Mosteiro das Carmelitas de Bande, a sua oficina de ícones, participámos na refeição comum, conhecemos as regras do mosteiro e estatuto litúrgico. Na minha opinião, este é um exemplo de um ecumenismo cristão saudável, quando duas igrejas representam uma para outra um interesse mútuo. E, sem proselitismo, se enriquecem mutuamente.

O padroeiro da cidade do Porto durante cinco séculos foi Santo Pantaleão, o mártir de Nicomedia do seculo IV, cujas relíquias foram trazidas para a cidade por comerciantes arménios no século XV. Na cidade encontram-se também as relíquias do Santo Mártir Clemente, Papa de Roma (século I) que foram encontradas pelos Santos Cirilo e Metódio na actual península da Criméia, no século IX durante a sua missão eslava, e que foram transladadas para Roma. Nas últimas décadas, tem sido formada uma tradição de rotas de peregrinação regulares entre os crentes ortodoxos da Rússia, Ucrânia e outros países com destino a locais sagrados cristãos na Europa Ocidental. E a nossa paróquia apoia os nossos compatriotas quando estes visitam as relíquias do norte de Portugal.

 

P. Alexandr Piskunov * Igreja Ortodoxa Russa * Porto

Diariamente lemos o mundo na procura de sentido para encontrarmos a mensagem religiosa necessária para si. Fazemo-lo num tempo confuso que pretende calar o que temos para dizer. Sem apoios da nomenclatura publicitária, vimos dizer-lhe que precisamos de si porque o nosso trabalho não tendo preço necessita do seu apoio para continuarmos a apostar neste projecto jornalístico.

Deixe uma resposta

*